Em algum lugar do passado

Minhas histórias dusoutros,

Minhas histórias dusoutros,

Por:Wilson Albino Pereira

O humor inteligente e brasileiríssimo é quem dita o tom na terra estrangeira.  Talvez, por isso, o livro Trançando New York, escrito por Luis Fernando Veríssimo seja importante. Os textos reunidos neste volume foram escritos entre agosto de 1980 e fevereiro de 1981, quando Veríssimo era correspondente internacional do jornal Zero Hora.

Algumas crônicas apresentam os aspectos arquitetônicos, sociais ou culturais relevantes na metrópole. Tanto a vida particular dos cidadãos nova-iorquinos – pg 60, quanto cotidiano daqueles que emigraram em busca da terra prometida – pg 57, nada escapa à curiosidade do jornalista. O escritor descortina o dia a dia de alguns dos moradores de Nova York, que, no fundo, como o próprio escritor afirma na última linha da página 15 – “é uma cidade pequena.”

Nenhuma das 37 crônicas têm o mesmo nome que o livro. Na verdade, o que justifica o título são as 56 ilustrações que o artista plástico e também jornalista Joaquim da Fonseca fez utilizando apenas papel uma caneta esferográfica. Ainda que a técnica e os materiais utilizados por Fonseca sejam simples, os traços formam figuras ricas em detalhes.

Não é exagero afirmar que a linguagem utilizada por Veríssimo possui um misto de visgo e laço. A ótica pela qual alguns assuntos delicados são abordados, os desfechos inimagináveis das crônicas e o jeito de escrever pouco e conseguir dizer muito entre linhas, tudo é muito convidativo.

Veríssimo tenta fazer-se entender por meio de uma linguagem bem familiar. Porém, para que haja sucesso na comunicação, o conhecimento de mundo que o leitor traz consigo, ou seja, sua bagagem cultural, é imprescindível. Os elementos lingüísticos, como as intertextualidades e os implícitos, apenas “são flagrados” se o leitor entender que o encadeamento de ideias existentes no interior texto é coerente.

O escritor sempre “avizinha-se” de seu leitor. Principalmente daquele não faz parte da elite. Isso ocorre, por exemplo, quando o jornalista utilizou o gerúndio do verbo “traçar”. Numa linguagem menos formal, o que não significa desobediência às regras gramaticais, traçar e comer são equivalentes. É bom lembrar que tais palavras também podem estar ligadas ao sentido sexual, dependendo do contexto evidentemente.

Os leitores percebem que Veríssimo é um jornalista que ouve as fontes, interpreta os fatos e organiza as informações. Quem está lendo essa resenha agora deve estar pensando: Poxa! Mas isso é o mínimo que se espera de um jornalista! Contudo, ao contrário dos outros profissionais da informação, Veríssimo é sutil quando exerce em seus textos, os seus escassos e imaginários momentos de poder.

Qual show está em cartaz? Quais são os restaurantes mais luxuosos? Quais os cafés mais chinfrins? Qual é a variação de preços? É de tais assuntos que trata a crônica da página 17 – Espetáculos. A tipologia (guia) o e gênero (crônica) aparecem fundidos no mesmo texto.  Durante uma leitura agradável, o leitor quase não se dá conta de que está diante de uma agenda cultural.

Em certos momentos, o cronista descansa o humor e foca em acontecimentos perturbadores e tristes, como “um ‘esfaqueador’ louco no meio da multidão” – pg 105, ou coisas belas como o inverno, que segundo Veríssimo, é tão rigoroso que quem sai à rua desprotegido, “corre o risco de perder as orelhas” – pg101, ou o outono, época do ano na qual “a cor das folhas das arvores vão do verde limão ao mais escandaloso rosa” – pg 71.

Na página 134, a crônica – Até O Próximo, deixa o leitor ainda mais íntimo do cronista. Meio à invencionices do escritor como a – que Frank Sinatra não mais seria embaixador na Itália, mas, que um dueto com o Papa já estava confirmado, Veríssimo chega a revelar que sua filha mais velha é babá, e que seu filho mais novo jura que entendeu tudo o que disse papai Noel ao telefone– Rô, rô, rô.

O universo estrangeiro que Veríssimo constrói por meio das palavras sintoniza o leitor e a estação climática numa mesma frequência. Por meio das narrativas é quase possível tocar as árvores que semanas antes chegaram a exibir copas majestosas, no outono transmutaram as cores, no inverno se abreviaram resumindo-se a caules e galho despidos. Já a violência urbana e o centro de múltiplos acontecimentos culturais daquela época, ainda hoje seguem inabaláveis.

As críticas e as preocupações do escritor à cerca de maníacos à solta nas ruas em 1980 são ingênuas, se comparados aos atos terroristas praticados por fanáticos e loucos atualmente. Além do humor inteligente que dita o tom em terra estrangeira, talvez, o livro escrito por Veríssimo seja importante porque aviva as memórias de quem viveu, ainda que por algum tempo, na cidade mais populosa dos Estados Unidos. Ao trazer para o presente as recordações dos outonos e invernos que, de tão distantes, não passam hoje de pó no pó, o livro de crônicas de Veríssimo deixa como legado ao menos uma dúvida – será que há 35 anos os habitantes da Big Apple não eram mais felizes?

Anúncios

6 comentários sobre “Em algum lugar do passado

  1. Leny EMILIA Toni Scheffer disse:

    Verdade wilsom lendo que você escreve mais vontade de ler da, tem coisas que nem imaginava, muito bom adorei….e comentários sobre Veríssimo, não tenho nem palavras, prefiro ler suas escritas….lindo

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s